terça-feira, 20 de dezembro de 2011

É possível existir água no cometa La Sagra

É possível haver água igual à existente na Terra no cometa P/2010 R2, também conhecido como La Sagra, que foi descoberto em setembro de 2010 pelo Observatório Astronômico de Mallorca (OAM), na Espanha.

cometa P 2010 R2

© Bernhard Haeusler (cometa P/2010 R2)

A conclusão foi anunciada por 39 cientistas de 18 centros de investigação e universidades de vários países que têm participado de um intenso programa de rastreamento do cometa.
O cometa La Sagra pertence a uma rara categoria de cometas, os MBC (Main Belt Comets), que contêm materiais da formação do Sistema Solar e dos quais só se conhecem outros cinco cometas.
Além da evidência sobre a potencial existência de água, o estudo mostra a estabilidade da atividade do cometa, que tem mais de 100 milhões de anos.
Segundo o observatório, a importância do cometa P/2010 R2 está na composição química e isotópica de seu gelo aprisionado e gases nobres para ser comparados com a água do mar terrestre.
A informação obtida poderia revelar a origem da vida na Terra, razão pela qual os raros cometas MBC são objeto de uma intensa corrente de pesquisa que pode implicar alguma missão espacial para estudar localmente estes tipos de corpos celestes.

cometa La Sagra

©  Pan-STARRS (cometa La Sagra)

No trabalho de investigação internacional sobre o cometa La Sagra, participam os grandes telescópios Pan-STARRS e Faulkes North de Haleakala, Gemini e Keck em Mauna Kea (Havaí), o telescópio dinamarquês de La Silla (Chile) e o telescópio Isaac Newton em La Palma (Ilhas Canárias).

Fonte: La Sagra Sky Survey

sábado, 17 de dezembro de 2011

Cometa Lovejoy sobrevive!

Não era esperado que o cometa C/2011 W3 (Lovejoy) sobrevivesse ao seu encontro com o Sol, como ocorre com a maioria dos cometas rasantes solar (Sungrazing).

animação do cometa Lovejoy durante a passagem periélica

© SOHO (animação do cometa Lovejoy durante a passagem periélica)

Mas ele sobreviveu. A animação acima mostra a passagem do cometa pelo Sol, desde a sua aproximação até o reaparecimento de seu núcleo do outro lado do Sol. A sequência de imagens foram obtidas através do coronógrafo a bordo da sonda SOHO e pode-se identificar a parte remanescente da cauda do cometa, com a brilhante cabeça do mesmo emergindo do outro lado do Sol no dia 16 de Dezembro de 2011. A posição do Sol, atrás do disco que está ocultando o cometa, é indicada pelo círculo branco. Separada da cauda, a coma do cometa Lovejoy é tão brilhante que satura os pixels da câmera, criando assim as estrias horizontais. Com base em suas órbitas, acredita-se que os cometas rasantes ao Sol pertençam à família de cometas Kreutz, ou seja, são cometas criados a partir de sucessivas rupturas ocorridas com um único grande cometa que passou bem perto do Sol no século XII. Estima-se que o cometa esteja a uma distância de 120.000 quilômetros da superfície do Sol e provavelmente tenha um núcleo cometário enorme para ter sobrevivido a esse encontro  durante o seu periélio.

Fonte: NASA e ESA

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Cometa Lovejoy corre risco de vida

Em 27 de novembro de 2011, o cometa C/2011-W3 (Lovejoy) do grupo Kreutz foi descoberto.

cometa Lovejoy no campo de visão do SOHO LASCO C3

© SOHO (cometa Lovejoy no campo de visão da LASCO C3)

O satélite SOHO descobre esses objetos em média a cada três dias, mas este foi descoberto a partir de um telescópio terrestre. O cometa C/2011 W3 está sendo captado pelas sondas SOHO e STEREO.
É uma conquista significativa para o astrônomo australiano Terry Lovejoy, que além de ser um dos pioneiros da descoberta de cometas SOHO através da internet, agora pode reivindicar ser a primeira pessoa a descobrir um cometa rasante ao Sol tanto em solo como através de telescópios espaciais!
Tradicionalmente, e com raras excessões, descobertas em solo de cometas do grupo Kreutz têm proporcionado cometas brilhantes. Muito brilhante!

cometa Ikeya-Seki

© Roger Lynds (cometa Ikeya-Seki)

Em 1965, o cometa Ikeya-Seki foi tão brilhante, que poderia ser visto a olho nu antes da passagem periélica, bloqueando o Sol com a mão. Em 1970 o cometa C/1970 K1 White-Ortiz-Bolleli tinha sido o último a ser observado em solo do grupo Kreutz, porém após a passagem perélica.

cometa White-Ortiz-Bolelli

© ESO (C/1970 K1 White-Ortiz-Bolelli)

Segundo informou Karl Battams do Laboratório de Pesquisa Naval e detentor do excelente site Sungrazing Comets, o cometa mantem-se íntegro e com brilho o tempo todo. Atualmente com cerca de magnitude 1, o cometa Lovejoy agora está muito perto do Sol para ser visto da Terra. Os cometas rasantes ao Sol tipicamente brilham dramaticamente durante as várias horas antes do periélio. Previsões variam, mas é seguro dizer que provavelmente irá brilhar quase tão brilhante quanto ao planeta Vênus (magnitude -4).

O cometa Lovejoy realmente adquire velocidade de um milhão de quilômetros por hora na quinta-feira quando realiza uma trajetória rasante em torno do Sol.

Ninguém tem certeza se o cometa vai sobreviver ao seu encontro muito próximo com o Sol. As possibilidades incluem um início de ruptura devido ao calor solar ou até mesmo uma passagem brilhante em torno do Sol. O cometa passará a cerca de 140 mil quilômetros da superfície do Sol cuja temperatura é da ordem de 11.000ºC. Há possibilidade do cometa Lovejoy se evaporar, deixando apenas a cauda de poeira brilhante em seu caminho.
Apenas um cometa muito grande poderia sobreviver a este encontro infernal!

Fonte: NASA e ESA

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Nuvem de fragmentos do cometa Elenin

Depois de muitas tentativas para encontrar qualquer vestígio do cometa Elenin, eles foram localizados.

os restos do cometa Elenin

© Ronaldo Ligustri (os restos do cometa Elenin)

Esta nuvem é facilmente vista na imagem obtida no dia 21 de outubro no Novo México pelo astrônomo italiano Ronaldo Ligustri.

Os astrônomos Ernesto Guido, Giovanni Sostero, e Nick Howes foram os primeiros que observaram em suas imagens, uma pequena nuvem estendida visível com brilho superficial baixo.

nuvem de fragmentos do cometa Elenin

© Guido, Sostero e Howes (nuvem de fragmentos do cometa Elenin)

Durante a noite de 21-22 outubro no observatório ISON-NM o astrônomo russo Leonid Elenin, descobridor do cometa, também fez observações acompanhando os restos do cometa 2010 X1 (Elenin), e o movimento da nuvem foi confirmada. A Lua saindo e o remanescente do cometa subindo mais alto no céu propiciará num futuro próximo novas imagens deste objeto.

Fonte: SpaceObs e Cometas Blog

sábado, 8 de outubro de 2011

Cometa Elenin se desintegrou?

Com base em primeiras imagens do cometa Elenin após sua saída da conjunção com o Sol, provavelmente o cometa se desintegrou na sua maioria. Talvez ainda podemos observar enxame de detritos do cometa.

posição do cometa Elenin

© Leonid Elenin (posição do cometa Elenin)

Esta imagem foi obtida no dia 6 de outubro, pelo próprio descobridor do cometa, Leonid Elenin, que usou o mesmo telescópio robótico que descobriu o cometa em 2010. Leonid fez uma única exposição de 30 segundos no quadrante de onde o objeto deveria ser encontrado.

Devido às condições desfavoráveis para o sensoriamento, a imagem não pode ser considerada como prova de que o cometa realmente se desintegrou completamente, mas com certeza ocorreu uma ruptura parcial. O objeto está muito próximo ao horizonte e a imagem já revela os primeiros sinais da interferência do Sol, impedindo uma observação mais sensível.

Atualmente, a luminosidade deste objeto não ultrapassa da magnitude 18.

Nos próximos dias o cometa estará nascendo mais cedo no quadrante leste sofrendo menos inflência da alvorada, porém a presença da Lua Cheia deverá novamente interferir nas observações óticas.

Espera-se que no futuro próximo os restos do cometa sejam observados em um telescópio de grande porte.

Fonte: SpaceObs

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

A água da Terra pode ter vindo do espaço

Uma boa proporção de água dos oceanos pode ter se originado dos cometas e asteroides, mais do que era estimado até agora, talvez até toda a água, segundo um grupo de cientistas que estudou um desses corpos celestes.

cometa Hartley 2

© NASA (cometa Hartley 2)

Essa conclusão foi alcançada por uma equipe internacional de especialistas coordenado por Paul Hartogh, do Instituto Max-Planck para Estudos do Sistema Solar, da Alemanha, após detectar pela primeira vez em um cometa água com uma composição similar à dos oceanos terrestres.

Sua pesquisa pôde ser realizada graças aos instrumentos do Observatório Espacial Herschel da ESA (agência espacial europeia). Os cientistas descobriram que a água dos oceanos terrestres tem a mesma composição que o gelo encontrado em um cometa identificado como 103P/Hartley 2, da família de Júpiter (corpos que orbitam o planeta gigante), cuja origem estaria na nuvem de Oort - fora do Sistema Solar. Para chegar a esta conclusão, Hartogh e seus companheiros determinaram a proporção de deutério (hidrogênio pesado) e hidrogênio comum (D/H) na água do 103P/Hartley 2.

cometa Hartley 2 visto pelo Herschel

© ESA (cometa Hartley 2 visto pelo Herschel)

Esta ilustração mostra a órbita do cometa Hartley 2 em relação aos dos cinco planetas mais interiores do Sistema Solar. O cometa fez sua última passagem perto da Terra em 20 de outubro, chegando a 19,45 milhões de quilômetros. Nesta ocasião, Herschel observou o cometa. A inserção do lado direito mostra a imagem obtida com o instrumento Herschel PACS. As duas linhas são os dados de água do instrumento HIFI (Instrumento Heterodino para Infravermelho Distante de Herschel).

Outros seis cometas, analisados nos últimos anos com o mesmo HIFI, deram valores muito diferentes do D/H existente em nossos oceanos, mas não diminui o entusiasmo dos cientistas, já que na época da formação do Sistema Solar os cometas do tipo de Hartley 2 seriam bem mais comuns.

As análises sobre a origem dos oceanos foram motivo de debate já que várias pesquisas apontavam que procedeu principalmente do impacto dos asteroides com a Terra. Hartogh explica que, no seu período de formação, a Terra era muito seca e por isso a água existente nesse momento evaporou no espaço.

Segundo os cientistas, a água deve ter surgido 8 milhões de anos depois da formação do planeta, por isso a possível origem da água foram os cometas e os asteroides. É possível estabelecer de onde procedeu a água analisando a composição isotópica, especialmente a proporção de deutério (D/H).

Fonte: Nature

terça-feira, 27 de setembro de 2011

O cometa Elenin não foi captado pelo SOHO

O coronógrafo do telescópio espacial Soho captou imagens que não revelaram qualquer fragmento remanescente do cometa C/2010 X1 Elenin.
imagem do coronógrafo LASCO 3 do SOHO
© NASA/ESA (imagem do coronógrafo LASCO 3 do SOHO)
A previsão era que não resistiria à passagem periélica, que ocorreu no dia 10 de setembro. Em outra ocasião alertei sobre a possibilidade de ruptura e desintegração do cometa Elenin. Apesar de não ser observado pelo coronógrafo, as imagens captadas não podem ser consideradas como prova definitiva para considerar o cometa desintegrado. O motivo é que o limite de brilho para ser detectado pelo coronógrafo Lasco C3 é de 7.0. Assim, se os fragmentos remanescentes forem muito pequenos certamente não poderão ser observados.
A imagem acima foi feita pelo instrumento Lasco C3 às 07h06 UT de 27 de setembro de 2011. Na cena é possível observar diversas estrelas usadas como referência na busca pelo cometa. O pequeno ponto próximo da região provável da localização do cometa é a estrela 13 Vir, de magnitude visual 6, já praticamente obscurecida na imagem do coronógrafo. A área delimitada mostra a posição em que o cometa C/2010 X1 Elenin deveria ser observado no instante da foto.
No momento, as observações visuais de Elenin permanecem bastante prejudicadas devido à proximidade com o Sol. Somente a partir de 8 de outubro ao amanhecer no quadrante leste, os possíveis fragmentos do cometa poderão ser vistos através de telescópios óticos. Será que ele sobreviveu?
Fonte: NASA e Cometas Blog

sábado, 10 de setembro de 2011

Radiotelescópio analisa o cometa Elenin

O astrônomo Amy Lovel utilizando o radiotelescópio Green Bank no dia 7 de setembro não detectou qualquer água proveniente do material remanescente do cometa Elenin.
Green Bank Telescope
© NRAO (Green Bank Telescope)
Os dados coletados mostraram que não foram detectadas linhas espectrais acima do ruído de fundo de 2,4 mJy (milijansky = W/m².Hz) na frequência do hidrogênio (H) em 1.420 mHz ou do radical hidroxila (OH) em 1.720 Mhz, que em condições adequadas, possibilita a formação da água (H2O) através da união com átomos de hidrogênio.
Isso coloca um limite de 107 moléculas/segundo sobre a taxa de produção de gás, que é cerca de 100 vezes menor do que as previsões anteriores, justificando a diminuição do brilho e posibilitando confirmar o processo de rompimento do núcleo do cometa.
O cometa Elenin ou seus fragmentos atingiu o periélio (menor aproximação do Sol) neste sábado (10/09), às 13h15 (horário de Brasília), quando o cometa chegou a 70 milhões de km de distância da estrela.
Atualmente, devido à proximidade visual com o Sol as observações estão bastante desfavorecidas para que possam comprovar visualmente a desintegração.
O cometa Elenin entrará no no campo visual do coronógrafo do telescópio solar Soho no próximo dia 23 de setembro.
Em outubro estão programadas sessões de observação através do radiotelescópio de Arecibo, em Porto Rico, se restar alguma coisa do cometa.
Fonte: SpaceObs

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

O cometa Garradd e o asterimo do Cabide

Vagando pelo céu noturno da Terra, no último final de semana o cometa Garradd, ou C/2009 P1, visitou esse interessante campo de estrelas ao longo da Via Láctea na constelação de Vulpecula.
cometa Garradd e o asterismo do Cabide
© Rogelio Bernal Andreo (cometa Garradd e o asterismo do Cabide)
Orientado de maneira sugestiva, a paisagem estelar colorida apresenta as estrelas do asterismo conhecido como Cabide, com a cauda do cometa apontando na direção sudeste. Também conhecido como aglomerado de Al Sufi, o Cabide propriamente dito é só um alinhamento curioso de estrelas e não um aglomerado de estrelas relacionadas. Porém, na mesma imagem, um pouco a direita do Cabide e perto da borda da foto, está o aglomerado aberto de estrelas NGC 6802. Abaixo ainda da visibilidade a olho nu, mas se aproximando da magnitude 7, em brilho, o cometa Garradd é um excelente alvo para binóculos e telescópios de pequeno porte. Durante essa semana com o céu noturno iluminado pela Lua, a sua identificação fica ainda mais complicada de ser realizada.
Fonte: NASA

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Cometa Elenin: a perspectiva final

Como havia dito no final do mês passado, o cometa C/2010 X1 (Elenin) apresentava a possibilidade de se desintegrar. De acordo com seu descobridor, o russo Leonid Elenin, o cometa já iniciou o processo irreversível de ruptura.
gráfico da distância periélica x magnitude absoluta
© L. Elenin (gráfico da distância periélica x magnitude absoluta)
O gráfico acima mostra uma seleção de dez cometas que se aproximaram do Sol a menos de 0,5 UA (75 milhões de quilômetros do Sol).
Os cometas vistos no gráfico, baseado na magnitude e distância, que estão à esquerda da linha vermelha se romperam antes de alcançar o periélio enquanto que aqueles à direita estão numa área considerada segura.
O gráfico foi obtido através do modelo criado pelo astrônomo J. Bortle que tem precisão para estimar a possibilidade de rompimento destes cometas. O cometa Elenin plotado em amarelo no gráfico indica quando sua magnitude é estimada através de observações visuais e em azul quando se usa a magnitude informada pelo JPL (Laboratório de Propulsão a Jato) da NASA.
Agora é absolutamente claro que a queda de brilho do cometa, observado pela primeira vez por Michael Mattiazzo em 20 de agosto, não foi mera coincidência. Seu pseudo-núcleo tornou-se difuso e estendido, e depois desapareceu completamente. Em imagens a partir de 1 de setembro na coma do cometa não havia vestígios de condensação, e isso significava que o cometa já tinha quebrado em pedaços bem pequenos, com um tamanho máximo de não mais de uma centena de metros.
Tal rompimento de um pequeno cometa passando perto do Sol não é raro. Mesmo se partindo, os inúmeros fragmentos deverão prosseguir na órbita anteriormente calculada, ao mesmo tempo que os pedaços maiores continuarão a se quebrar. A ruptura de um cometa de longo período razoavelmente perto da Terra (em uma escala do Sistema Solar) é um evento bastante raro. Durante esse rompimento podemos ver o interior do cometa para compreender melhor sua estrutura e composição.
O seu periélio será no dia 10 de setembro, e em 23 de setembro, quando o cometa apareçer no campo de visão do coronógrafo do SOHO (Solar and Heliospheric Observatory) será possível verificar o seu estado. Qualquer resultado vai nos dizer o que podemos esperar no no perigeu que será no dia 16 de outubro.
O final desta história está perto ...
Fonte: SpaceObs

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

O cometa Elenin poderá se desintegrar

O cometa Elenin C/2010 X1 foi descoberto em 10 de dezembro de 2010 pelo astrônomo russo Leonid Elenin. Ele é um cometa de longo período proveniente da borda externa do nosso Sistema Solar, cujo período é de 11.700 anos.
cometa Elenin
© NASA/Stereo (cometa Elenin – 06/08/2011)
O cometa Elenin conforme se aproxima do Sol, aumenta a sublimação e ejeção de material ao espaço, produzindo acréscimo do tamanho de sua coma e cauda, que atualmente atingiu cerca de 3 milhões de quilômetros. A magnitute atual do Elenin é estimada em torno de 8.5, abaixo do valor esperado de 6,5 nessa época do ano.
No dia 10 setembro o cometa alcançará o periélio e estará a 71 milhões de quilômetros do Sol. E no dia 16 de outubro o cometa deverá atingir a máxima aproximação com nosso planeta, quando a mínima distância entre os dois astros será de 35 milhões de quilômetros. 
No dia 19 de agosto, a sonda espacial Stereo-B registrou a interação da coma gasosa do cometa Elenin e uma ejeção de massa coronal proveniente do Sol, provocando uma forte oscilação da longa cauda cometária.
Apesar de estar se aproximando do Sol, o brilho do Elenin continua diminuindo, depois de um pequeno aumento de intensidade ocorrido em agosto. Geralmente, durante sua primeira aparição, um cometa proveniente da nuvem de Oort apresenta brilho de menor intensidade.
As últimas estimativas mostram que o núcleo do cometa tem cerca de 2,5 km de diâmetro. Há possibilidade do cometa Elenin se desintegrar devido ao pequeno núcleo cometário, que parece estar alongado, a ejeção de massa coronal que gerou rápida sublimação de material, a longa cauda e a queda de brilho do cometa, não resistindo ao periélio. Uma animação da suposta desintegração do núcleo do cometa Elenin é exibida a seguir, com imagens dos dias 19, 22, 23, 27 e 29 de agosto.
animação da suposta desintegração do cometa Elenin
© Michael Mattiazzo (suposta desintegração do cometa Elenin)
Fato similar ocorreu com o cometa C/1999 S4 LINEAR que se rompeu em julho de 2000. Um processo semelhante ocorreu apenas algumas semanas atrás com um outro cometa, o 213P Van Ness.
Vamos aguardar sua passagem periélica para ver se ele realmente sobrevive!
Fonte: Cometas Blog e Universe Today

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Introduzindo o cometa Garradd

Outra grande bola de neve está indo em direçãodireção ao Sol. O cometa Garradd, foi descoberto há dois anos atrás por Gordon Garradd na Austrália, e é atualmente visível por meio de pequenos telescópios com uma magnitude visual de 9.
cometa Garradd
© John Chumack (cometa Garradd)
Oficialmente designado como cometa C/2009 P1 (Garradd), o cometa provavelmente continuará a aumentar o seu brilho, com as projeções recentes estimando um pico de magnitude igual a 6 ou 7 em Fevereiro de 2012, um pouco abaixo do limite de visibilidade a olho nu. O cometa Garradd já está mostrando uma cauda curta e pode ser visto como uma mancha alongada e difusa na imagem negativa acima feita por John Chumack no dia 9 de Julho de 2011 em Yellow Springs no estado americano de Ohio.
Uma nova imagem do cometa Garradd vista abaixo foi realizada em 1 de Agosto de 2011 na Austrália.
cometa Garradd
© Peter Lake (cometa Garradd)
Outros cometas estão também entrando no Sistema Solar interno e aumentando de brilho como é o caso do C/2010 X1 (o cometa Elenin), que espera-se tenha um pico de magnitude 6, no começo de Setembro de 2011, o 45P/Mrkos-Pausako espera-se que tenha um pico de magnitude de 8 em meados de Agosto de 2011, e o C/2011 L4 (cometa PANSTARRS) que pode tornar-se visível a olho nu durante os primeiros meses de 2013.
Fonte: NASA

sexta-feira, 22 de julho de 2011

A origem da composição dos cometas

Os cometas são corpos gelados, mas eles são feitos de materiais formados a temperaturas muito elevadas. Qual a origem destes materiais?
cometa Hale-Bopp
© NASA (cometa Hale-Bopp)
Pesquisadores da Universidade de Besançon já forneceram a explicação física por trás desse fenômeno. Eles demonstraram como esses materiais migraram de partes mais quentes do Sistema Solar para as suas regiões exterior antes de entrar na composição dos cometas.
Em 15 de janeiro de 2006, após uma viagem de oito anos, a sonda Stardust da NASA trouxe a poeira do cometa Wild 2 para a Terra. Os cometas são formados em temperaturas muito baixas (cerca de 50 Kelvin, ou seja, -223 °C). No entanto, as análises revelaram que o cometa Wild 2 é feito de silicatos cristalinos, cálcio e alumínio. Considerando-se que a síntese desses minerais requer temperaturas muito elevadas (acima de 1.000 Kelvin ou 727 °C), como esta composição pode ser explicada?
Uma equipe do Instituto UTINAM1 Universidade de Besançon (França), em colaboração com pesquisadores do Instituto de Física da Universidade Rennes (França), da Universidade de Duisburg-Essen (Alemanha) e do Laboratório de Astrofísica da Universidade de Paris (França), proporcionaram a resposta com base em um fenômeno físico chamado fotoforese, que é o movimento de pequenas partículas, como as de poeira, sob a influência de energia radiante, e especialmente da luz. Esta força depende de dois parâmetros: a intensidade da radiação solar e a pressão do gás.
Na origem do Sistema Solar, os cometas foram formados a partir do disco protoplanetário. Dentro deste disco, uma mistura de grãos sólidos variando em tamanho de alguns mícrons a vários centímetros foi banhada em um gás diluído que permite a penetração da luz solar.
Com a influência da fotoforese as partículas foram direcionadas para as regiões externas do disco. Sob o efeito da radiação solar, uma face dos grãos era mais "quente" do que a outra, e consequentemente o comportamento das moléculas de gás na superfície destes grãos proporcionaram sua alteração: no lado da luz solar as moléculas de gás são mais instáveis ​​e mudou-se mais rapidamente do que no lado "frio". Esse desequilíbrio mudou os grãos para longe do Sol devido uma diferença de pressão. Através de simulações digitais, os pesquisadores confirmaram o fenômeno da fotoforese. Eles demonstraram que os grãos de silicatos cristalinos formados na região, interior quente do disco protoplanetário perto do Sol migraram para a região fria no exterior antes da formação dos cometas!
Esta nova explicação física poderia explanar a posição dos anéis de poeira observados em certos discos protoplanetários e, assim, propiciar informações sobre as condições da formação de planetas.
Fonte: Astronomy & Astrophysics

sábado, 16 de julho de 2011

Cometa Hartley 2 deixa uma cauda irregular

Novas descobertas feitas pela missão NEOWISE, a porção caçadora de asteroides e cometas da missão Wide-field Infrared Survey Explorer da NASA, mostram que o cometa Hartley 2 deixa uma cauda de cascalho à medida que volta ao Sol, pontilhada com grãos do tamanho de bolas de golfe.
cometa Hartley 2
© NASA/NEOWISE (cometa Hartley 2)
Anteriormente, a missão EPOXI da NASA que sobrevoou o cometa no dia 4 de Novembro de 2010, encontrou partículas de gelo com tamanho variando entre uma bola de golfe e bola de basquete sendo ejetadas do cometa Hartley 2. Os dados da missão NEOWISE mostram que pedaços do tamanho de bola de golfe sobreviveram por mais tempo que se imaginava na cauda de detritos do cometa Hartley 2. A equipe do NEOWISE determinou o tamanho dessas partículas observando quanto elas se desviavam do rastro do cometa. Quanto maior a partícula menos provável que elas sejam empurradas para longe do rastro pela pressão de radiação proveniente do Sol.
As observações também mostram que o cometa ainda está ejetando de forma ativa gás dióxido de carbono mesmo a uma distância de 2,3 UA (unidade astronômica, que é a distância média entre a Terra e o Sol) do Sol, o que é muito mais distante do Sol do que a missão EPOXI havia detectado os jatos de dióxido de carbono ejetados do cometa.
“Nós estamos surpresos que o dióxido de carbono tenha um papel significante na atividade do cometa Hartley 2 quando ele está bem distante do Sol”, disse James Bauer, o principal autor deste estudo.
Fonte: The Astrophysical Journal

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Spitzer registra imagem de cometa

O Telescópio Spitzer da NASA capturou uma imagem do cometa periódico Schwassmann-Wachmann I incomum que experimenta frequentes explosões que produzem abruptas mudanças no seu brilho.

cometa Schwassmann-Wachmann I

© NASA/Spitzer (cometa Schwassmann-Wachmann I)

Este cometa tem uma órbita praticamente circular pouco além da órbita de Júpiter, com um período de 14,9 anos. Acredita-se que as explosões nascem do aumento da pressão do gás interno à medida que o calor emitido pelo Sol vagorosamente evapora o dióxido de carbono e o monóxido de carbono congelado abaixo da crosta do núcleo do cometa. Quando a pressão interna excede a tensão da crosta sobreposta, uma ruptura ocorre, e uma explosão de fragmentos de gás e poeira é ejetada no espaço a uma velocidade de 200 metros por segundo.

Essa imagem feita do cometa no comprimento de onda de 24 mícron, foi obtida com o fotômetro de imagens multibanda. A imagem mostra emissões térmicas no infravermelho da coma empoeirada e da cauda do cometa. O núcleo do cometa tem aproximadamente 30 quilômetros de diâmetro e é muito pequeno para ser imageado pelo Spitzer. O tamanho micrométrico das partículas dos grãos de poeira na coma e na cauda geram uma corrente na direção oposta ao Sol. A poeira e o gás comprimi o núcleo do cometa que é formado do mesmo material primordial que formaram o Sol e os planetas a bilhões de anos atrás. As complexas moléculas ricas em carbono contidas nesse núcleo podem ter fornecido parte do material bruto de onde a vida se originou na Terra.

Acredita-se que o cometa Schwassmann-Wachmann I, seja membro de uma classe relativamente nova de objetos chamados de “Centaurus” de onde se conhecem 45 objetos. Esses objetos são pequenos corpos congelados com órbitas entre Júpiter e Netuno. Os Centaurus são objetos que escaparam recentemente do Cinturão de Kuiper, uma zona de pequenos corpos que orbitam em uma nuvem localizada numa parte distante do Sistema Solar.

Dois asteroides, o 1996 GM36 (a esquerda) e o 5238 Naozane (a direita) foram também registrados nessa imagem do cometa. Pelo fato deles estarem mais perto do Sol do que o cometa e terem uma velocidade orbital mais rápida, eles parecem se mover com relação ao cometa e as estrelas de fundo, produzindo uma aparência alongada. Os dados do Spitzer permitiram obter aferições térmicas que reduzem as incertezas das medidas feitas com a luz visível devido ao albedo (refletividade) para determinar o tamanho dos objetos. Com raios de 1,4 e 3,0 quilômetros esses são os menores asteroides do cinturão principal medidos por meio de detectores infravermelhos.

Fonte: NASA

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Cometa descoberto por brasileiro

O brasileiro Paulo Holvorcem descobriu seu terceiro cometa, desta vez em parceria com Michael Schwartz, denominado C/2011 K1 Schwartz-Holvorcem, utilizando o Observatório Tenagra. As outras descobertas de Paulo Holvorcem foram os cometas C/2002 Y1 e C/2005 N1. O cometa C/2011 K1 passou pelo periélio em 19 de abril de 2011. Ele foi descoberto em 26 de maio de 2011 como um objeto de magnitude 19,5 na constelação de Ofiúco.
cometa Schwartz-Holvorcem 
© Luca Buzzi (cometa C/2011 K1 Schwartz-Holvorcem)
Esta imagem do cometa foi obtida em 29 de maio de 2011, por Luca Buzzi no Observatório Schiaparelli, com magnitude 18,9.

A seção de cometas da REA (Rede de Astronomia Observacional) estima que por intermédio dos elementos orbitais provisórios, este cometa não deve ultrapassar a 18ª magnitude, ficando restrita sua observação visual através telescópios de grandes aberturas ou por meio de CCD.
Fonte: IAU Minor Planet Center e REA

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Chuva de meteoros será visível a olho nu

Quem olhar para o céu na noite dos próximos dias poderá se deparar com um espetáculo diferente. O horizonte será cortado por uma chuva de meteoros do cometa Halley, visível a olho nu.

 cometa Halley

© NASA (cometa Halley)

As melhores condições de visibilidade estarão no hemisfério Sul. O melhor período para observá-la é entre a noite de quinta-feira (5/5) e a manhã de sexta (6/5). Dessa vez, quem estiver no Brasil, se a meteorologia ajudar, poderá obervar o fenômeno, porém o ideal são locais mais afastados da poluição luminosa das grandes cidades.

Os meteoros que passam perto da Terra são detritos do cometa Halley. Ao penetrar na atmosfera, estes meteoros passam a ser denominados meteoroides, deixando rastros incandescentes devido ao atrito. Em condições ideais, devem ser vistos entre 40 e 60 meteoroides por hora.

 núcleo do cometa Halley

© ESA/Giotto (núcleo do cometa Halley)

Um resquício antigo da formação do Sistema Solar, o cometa Halley completa uma volta ao redor do Sol a cada 76 anos. A última vez em que ele se aproximou da Terra foi em 1986. Seu retorno será em 2061.

Ainda assim, a trilha de poeira gelada que ele deixa pode ser vista duas vezes por ano, quando nosso planeta cruza o caminho dessas partículas. No mês de maio, essa chuva recebe o nome de Eta Aquarídea, porque o fenômeno parece começar perto dessa estrela da constelação de Aquário. Em outubro, ela se chama Orionídea. O radiante da Eta Aquarídea é mostrado no mapa celeste a seguir.

radiante no hemisfério sul da Eta Aquarídea

© Cosmo Novas (radiante no hemisfério sul da Eta Aquarídea)

Apesar de começarem na constelação de Aquário, não será preciso olhar diretamente para ela para ver os meteoroides caindo, pois eles podem aparecer em qualquer parte do céu.

Fonte: NASA e Cosmo Novas

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Rota de um cometa

Aficcionados que costumam tirar fotos do céu, e observar fenômenos astronômicos interessantes, podem se tornar importantes colaboradores da ciência na era da Internet.

rota do cometa Holmes

© Dustin Lang e David Hogg (rota do cometa Holmes)

Dois astrônomos profissionais conseguiram traçar a órbita ainda desconhecida de um cometa, no último mês, graças a uma série de fotos amadoras disponíveis na web às quais eles tiveram acesso.

Um dos astrônomos é da Universidade de Princeton (EUA) e o outro do Instituto Max-Palnck de Astronomia em Heidelberg, na Alemanha. Em outubro de 2007, o cometa 17P/Holmes foi considerado pela Astronomia o corpo celeste mais brilhante do Sistema Solar, o que levou uma legião de curiosos a tentar fotografá-lo.

Usando um simples mecanismo de busca na Internet, eles encontraram 2.476 fotos do cometa Holmes. A partir de um site especializado em Astronomia, 1.299 delas foram consideradas fotos noturnas legítimas, nas quais se podia estudar. Calculando onde cada foto situou o cometa no tempo e no espaço, foi possível identificar a rota completa por onde passou o Holmes, e a Astronomia agora já conhece sua órbita.

A dupla de astrônomos parece animada com os resultados obtidos. Eles já planejam o próximo trabalho baseado exclusivamente em fotos amadoras da rede mundial. Será para definir o itinerário de outro cometa, o Hayakatuke, que aparece em 3.500 fotos diferentes apenas no site Flickr.

Fonte: Popular Science

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Existência de água líquida em cometas

Foram encontrados indícios de água líquida no passado dos cometas, desbancando a ideia de que eles nunca experimentaram calor suficiente para derreter o gelo que forma a maior parte de sua massa.
cometa Holmes
© Vicent Peris (cometa Holmes)
Os pesquisadores, liderados por Eva Berger, da Universidade do Arizona, fizeram a descoberta analisando grãos de poeira do cometa Wild-2, trazidos de volta à Terra pela sonda Stardust.
Lançada em 1999, a sonda Stardust capturou minúsculas partículas lançadas da superfície do cometa em 2004, usando um material super leve, chamado aerogel, e as trouxe de volta à Terra em uma cápsula que aterrissou no estado de Utah, nos Estados Unidos, dois anos depois.
Na nossa amostra, foram encontrados minerais que se formam na presença de água líquida,  indicando que em algum ponto da sua história, o cometa conteve 'reservatórios' de água.
Os cometas são frequentemente chamados de "bolas de neve sujas" porque são formados principalmente de água congelada, e de fragmentos de rochas e gases congelados.
"Quando o gelo derreteu no Wild-2, a água quente resultante dissolveu minerais que estavam presentes naquele momento, precipitando os minerais na forma de sulfetos de ferro e cobre que observamos em nosso estudo", diz Dante Lauretta, coautor do estudo. "Os sulfetos se formaram entre 50 e 200 graus Celsius, muito mais quente do que as temperaturas abaixo de zero previstas para o interior de um cometa."
Ao contrário dos asteroides, pedaços extraterrestres formados por rochas e minerais, os cometas apresentam uma cauda formada por jatos de gás e vapor que o fluxo de partículas de alta energia vindas do Sol arranca de seus corpos congelados.
Mas os resultados da sonda Stardust também já haviam mostrado que há similaridades entre asteroides e cometas.
A descoberta dos sulfetos minerais de baixa temperatura é importante para a compreensão de como cometas se formaram, consequentemente fornece informações sobre a origem do Sistema Solar.
Além da evidência de água líquida, os ingredientes descobertos colocam um limite superior para as temperaturas que Wild-2 encontrou desde sua origem e ao longo de sua história.
O mineral que foi encontrado, a cubanita, é muito raro em amostras vindas do espaço. A cubanita é um sulfeto de ferro e cobre também é encontrado na Terra, em depósitos de minério expostos às águas subterrâneas aquecidas, e em um determinado tipo de meteorito.
Este mineral existe em duas formas, e a que encontramos só existe abaixo de 210 graus Celsius, significando que esses grãos não foram submetidos a temperaturas mais elevadas do que isso.
Fonte: Geochimica e Cosmochimica Acta

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Cometas podem ter pouco carbono

No passado, cientistas detectaram moléculas carregadas de carbono em cometas, incluindo alguns aminoácidos simples, que são considerados os blocos de construção para a vida.
cometa C2004 Q2 Machholz
© NOAO (cometa C/2004 Q2 - Machholz)
A presença dessas moléculas orgânicas em cometas, bem como o fato de que os cometas atingem planetas regularmente, sugeriu que eles poderiam ter “semeado” a Terra com os materiais à base de carbono necessários para formar a vida.
Agora, pesquisadores descobriram que os cometas podem conter muito menos carbono do que se pensava. Isso implica que o papel que eles desempenharam na entrega dos ingredientes para a vida na Terra pode ser diferente do que se acreditava.
Para saber mais sobre o carbono nos cometas, os cientistas analisaram imagens de campo do cometa C/2004 Q2 (Machholz), registradas por satélite. Os pesquisadores se concentraram na luz ultravioleta derramada por um “envelope” de poeira e gás ao redor do núcleo do cometa.
Os átomos de carbono dos cometas tornam-se ionizados, ou carregados eletricamente, quando são atingidos por bastante energia do Sol. Os pesquisadores estudaram a radiação emitida por átomos de carbono para determinar quanto tempo leva para a maioria do carbono em um cometa ficar ionizada.
Eles descobriram que este processo ocorre depois de apenas 7 a 16 dias; muito mais rapidamente do que se pensava. Isso sugere que pesquisas anteriores superestimaram a quantidade de carbono nos cometas por um fator de até dois.
Os cientistas já sabiam que a luz solar podia “carregar” o carbono. Esses novos resultados mostram como o vento solar, as rajadas de partículas eletricamente carregadas a partir do Sol, também influencia o carbono no espaço.
Isso tinha sido previsto anteriormente, mas até agora ninguém tinha quantitativamente colocado todas as peças juntas e feito uma medida que confirmasse a especulação.
Essas descobertas aumentam a discussão do quanto os cometas poderiam ter contribuído com a vida na Terra. Ao modificar o conhecimento dos níveis de carbono nos cometas, a descoberta pode também influenciar os modelos de como essas rochas espaciais são formadas.
O próximo passo é estudar a dinâmica orbital dos cometas, que pode dizer algo acerca de onde eles vieram e do que eles são feitos. Essas informações forneceram uma visão dos primórdios do Sistema Solar.
Fonte: LiveScience

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Divulgada imagem do cometa Tempel 1

A sonda Stardust-NExT da NASA se encontrou com o cometa Tempel 1 ontem (14/02/2011).
cometa Tempel 1 visto pela sonda Stardust-NExT
© NASA (cometa Tempel 1 visto pela sonda Stardust-NExT)
O objetivo desse encontro é estudar pela primeira vez as mudanças na superfície do corpo celeste que circula entre as órbitas de Marte e Júpiter. Os dados desse novo empreendimento vão fornecer informações importantes sobre como se formam e evoluem a família de cometas de Júpiter.
A sonda continuará o trabalho de pesquisa sobre o cometa que começou em julho de 2005, quando a nave espacial Deep Impact lançou um projétil na superfície dele para estudar sua composição por meio do material desprendido na colisão. A imagem a seguir mostra duas crateras próximas do local do impacto focalizadas pelas sondas Deep Impact e Stardust-NExT.
crateras focalizadas pela Deep Impact e Stardust
© NASA (crateras focalizadas pela Deep Impact e Stardust)
A Stardust-NExT conta com sistemas capazes de capturar imagens da cratera criada pelo projétil, que deve fornecer uma grande quantidade de informações sobre a formação dos cometas.
local do impacto do projétil lançado pela Deep Impact
© NASA (local do impacto do projétil lançado pela Deep Impact)
O encontro ocorreu a 336 milhões de quilômetros da Terra, quando a sonda estava quase do lado oposto do Sistema Solar, e em determinado momento, ficou a apenas 180 km de distância do cometa. Durante o sobrevoo da Stardust-NExT estava previsto tirar 72 imagens, sendo cinco closes do núcleo do Tempel 1, mas surgiram fotos do cometa como se fosse somente um minúsculo ponto no espaço. As imagens foram armazenadas em um computador de bordo e enviadas à Terra para processamento, através de um transponder (transmissor/receptor de rádio), originalmente desenvolvido para a missão Cassini para Saturno, e um amplificador de estado sólido de 15 watts. As taxas de dados foram transmitidas em torno de 33 a 40 mil bits por segundo.
As imagens obtidas do cometa Tempel 1 pela sonda Stardust-NExT estão neste link.
Fonte: NASA

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Um cometa brilhante promissor chegando?

O cometa C/2010 X1 Elenin foi  descoberto pelo russo Leonid Elenin em 10 de dezembro de 2010 no observatório russo-americano ISON-NM do Novo México (EUA).
cometa Elenin em 11 de Dezembro de 2010 
© Observatório Maidanak (cometa Elenin – 11/12/2010)
A imagem acima foi realizada no dia 11 de Dezembro de 2010 no Observatório de Maidanak no Cazaquistão confirmando a existência do cometa, que estava com magnitude 19. A quadruplicação de estrelas na fotografia é devido ao movimento do cometa durante a exposição.
Ainda é cedo para prever com exatidão sua trajetória. O cometa Elenin é o que possui a menor inclinação em relação ao plano da eclíptica em comparação aos cometas observáveis de órbitas alongadas (parabólicas ou hiperbólicas).
órbita do cometa Elenin no perigeu
© NASA (órbita do cometa Elenin no periélio)
Os seus elementos orbitais indicam que sua passagem periélica (aproximação máxima do cometa em ralação ao Sol) ocorrerá em 10 de Setembro de 2011, conforme o diagrama orbital gerado pelo JPL (Jet Propulsion Laboratory) da NASA. Nesta época, os parâmetros fotométricos mostram que o cometa terá magnitude 3,5.
órbita do cometa Elenin no perigeu
© NASA (órbita do cometa Elenin no perigeu)
O perigeu (aproximação máxima do cometa em relação à Terra) está previsto para o dia 16 de Outubro de 2011, havendo possibilidade da Terra passar pelos resíduos deixados pelo cometa ao longo do caminho.
O cometa Elenin poderá resultar num cometa brilhante como o Hyakutake (1996), o Hale-Bopp (1997) ou o McNaught (2007)?
Fonte: Sky & Telescope

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Novo outburst em cometa

O cometa 29P/Schwassmann-Wachmann entrou em erupção de novo e Richard Miles (British Astronomical Association), teve a sorte de observar este objeto ativo no Faulkes Telescope North no Havaí.
outburst no cometa 29P Schwassmann-Wachmann
© FTN (outburst no cometa 29P/Schwassmann-Wachmann)
O cometa 29P/Schwassmann-Wachmann está numa região relativamente fria do Sistema Solar, mais que 6 UA do Sol e ainda é um dos cometas periódicos mais ativos conhecidos. Normalmente os cometas tornam-se ativos quando se aproximam do periélio, onde o aquecimento solar é importante. Para este cometa as evidências sugerem que o monóxido de carbono é o principal motor de seus ímpetos. Em 20 de janeiro o astrônomo amador espanhol Faustino Garcia relatou uma explosão pequena no cometa. Quatro dias antes, ele tinha medido uma magnitude de 16,6, mas na manhã do dia 20 apresentava uma magnitude de 14,9, representando um aumento de um fator de 5 no brilho. A última vez que foi detectado um outburst foi em maio 2010, considerado mais energético.
Cerca de uma semana após a última explosão, foi possível ter uma imagem de fundo do cometa utilizando o telescópio Faulkes em Haleakala no Havaí. Acompanhando o cometa através de 21 frames num CCD (sensor para captação de imagens) durante um tempo de integração total de 65 minutos, uma alta relação sinal-ruído da imagem foi obtida permitindo procurar detalhes dentro da coma recém-formada. Observando a imagem é claro que a expansão da coma foi amplamente direcionada para um hemisfério. No processamento de gradiente da imagem usando o software IRIS foi revelado estruturas delicadas dentro da coma, que é ilustrada com cores falsas. 
Foi possível estudar também a região próxima ao núcleo do cometa, que está liberando material de sua estrutura. O cometa está bem posicionado para observação e amadores estão monitorando cuidadosamente o objeto na expectativa de uma explosão mais acentuada nas próximas semanas.
Fonte: Faulkes Telescope Project

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Mosaico de cometas

Lançado em dezembro de 2009 com o objetivo de mapear praticamente todo o céu no espectro infravermelho, o explorador WISE (Wide-field Infrared Survey Explorer) da NASA fez inúmeras descobertas de objetos celestes. Registrando o céu a cada 11 segundos, o satélite fez mais de 1,5 milhões de imagens e encontrou nada menos que 20 novos cometas vagando pelo Sistema Solar.
mosaico de cometas descobertos pelo WISE
© NASA (mosaico de cometas descobertos pelo WISE)
O mosaico apresenta os cometas descobertos pelo WISE, que são vistos da esquerda para a direita e de cima para baixo: 237P/LINEAR (2002 LN13), 233P/La Sagra (2009 WJ50), P/2009 WX51 (Catalina), P/2010 B2 (WISE), P/2010 D1 (WISE), P/2010 D2 (WISE), C/2010 D3 (WISE), C/2010 D4 (WISE), C/2010 DG56 (WISE), C/2010 E3 (WISE), C/2010 FB87 (WISE-Garradd), C/2010 G3 (WISE), C/2010 J4 (WISE), P/2010 K2 (WISE), C/2010 KW7 (WISE), 237P/LINEAR (2010 L2), C/2010 L4 (WISE), C/2010 L5 (WISE), P/2010 N1 (WISE) e P/2010 P4 (WISE).
A maior parte dos cometas retratados recebeu o sobrenome WISE com exceção de quatro objetos que já haviam sido descobertos anteriormente, mas até então eram considerados asteroides.
No entanto, as observações feitas pelo WISE mostraram que esses corpos não eram simples pedras ou rochas metálicas como no caso dos asteroides, mas sim bolas de gás e poeira congelada formadas ao redor de um núcleo, exatamente como os cometas.
Normalmente, as pessoas associam os cometas às populares imagens do Halley ou Hale-Bopp, com gigantescas caudas brilhantes cruzando o céu. Essa cauda se forma à medida que o objeto se aproxima do Sol, que aquece o gelo do cometa e o transforma em gás, que escapa para o espaço junto com partículas de poeira congelada. Essa mistura de gás e poeira cria uma névoa ao redor do núcleo, denominada coma, que pela ação do vento solar é soprada para bem longe formando uma enorme cauda de milhões de quilômetros.
O ruído de fundo visto nas cenas são flutuações aleatórias no espectro infravermelho, causadas principalmente pela poeira existente no próprio Sistema Solar. Devido ao tratamento das imagens, combinadas inúmeras vezes em um método chamado empilhamento, as estrelas são suprimidas. Isso permite gerar uma única cena de alta resolução com o objeto principal centralizado e livre de interferências.
As cores mostradas também não são reais e foram adicionadas para destacar os diversos comprimentos de onda registrados. Assim, a cor azul corresponde a 4,6 mícrons, o verde a 12 mícrons e o vermelho a 22 mícrons. A luz captada é diretamente proporcional à temperatura. Nas cenas, áreas frias aparecem em vermelho enquanto áreas mais quentes aparecem em azul.
Fonte:  NASA

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Registrada as primeiras imagens do cometa Tempel 1

A sonda da NASA Stardust enviou suas primeiras imagens do cometa Tempel 1, o alvo do sobrevoo planejado para o dia 14 de Fevereiro de 2011.
primeiras imagens do cometa Tempel 1
© NASA/Stardust (primeiras imagens do cometa Tempel 1)
As imagens foram feitas em 18 e 19 de Janeiro de 2011 a uma distância de 26,3 milhões de quilômetros e a 25,4 milhões de quilômetros respectivamente. Em 14 de Fevereiro de 2011, a sonda Stardust passará a aproximadamente 200 quilômetros do núcleo do cometa. No Brasil ocorrerá as 01h:40 do dia 15 de Fevereiro de 2011.
“Essa é a primeira de muitas imagens que faremos do cometa Tempel 1”, disse Joe Veverka, pesquisador principal da missão da NASA Stardust-NExT da Cornell University, em Ithaca, N.Y.
Encontrar algo tão pequeno e rápido como um cometa na vastidão do espaço sempre é um desafio.
A imagem composta é uma combinação de algumas imagens feitas pela câmera de navegação da Stardust. Futuras imagens serão usadas para ajudar os navegadores a refinarem a trajetória da Stardust, ou o voo de passagem, isso acontecerá quando a distância entre a sonda e o cometa for de aproximadamente 950.000 quilômetros. Na noite do encontro, a câmera de navegação será usada para adquirir 72 imagens de alta resolução das feições que constituem a superfície do cometa. Os cientistas da missão Stardust-NExT usarão essas imagens para ver como a superfície do cometa Tempel 1 tem mudado nos últimos cinco anos e meio. Isso porque o Tempel 1 já foi visitado em Julho de 2005 por outra sonda da NASA, a missão Deep Impact.
Lançada em 7 de Fevereiro de 1999, a Stardust tornou-se a primeira sonda na história a coletar amostras de um cometa, o Wild 2 e enviá-las a Terra para estudo. Enquanto uma cápsula trazia as amostras para a Terra com paraquedas em Janeiro de 2006, os controladores da missão fizeram o esforço para colocar a sonda no caminho do cometa o que permitiria a NASA ter a oportunidade para reutilizar os já provados sistemas de voo. Em Janeiro de 2007, a NASA rebatizou a missão, chamando-a de Stardust-NExT (New Exploration Tempel), e a equipe da Stardust começou uma jornada de quatro anos e meio até que a sonda encontre o Tempel 1.
A sonda Stardust-NExT também medirá a composição, o tamanho da distribuição e o fluxo de poeira emitida na coma, e fornecerá novas informações importantes sobre como os cometas da família Júpiter se desenvolvem e como eles se formaram há 4,6 bilhões de anos.
Fonte:  NASA

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Enxame de cometas

No período de 13 a 22 de dezembro de 2010 o SOHO (Solar and Heliospheric Observatory) descobriu que 25 cometas mergulharam no Sol. A imagem abaixo mostra o momento exato da colisão de um cometa com o Sol no dia 20 de dezembro de 2010.
cometa sendo capturado pelo Sol
© SOHO (cometa sendo capturado pelo Sol)
O SOHO constantemente observa cometas se desintegrando na superfície solar, mas vários cometas num curto período de tempo é um fato sem precedentes.
O coronógrafo da sonda produz um eclipse artificial possibilitando identificar este cometas considerados pequenos da classe de 10 m.
Será que algum cometa maior está por vir?
cometa Ikeya Seki
© Roger Lynds (cometa Ikeya-Seki)
Por exemplo, em 1965 o cometa Ikeya-Seki, descoberto por dois astrônomos amadores japoneses que lhe deram o nome: Kaoru Ikeya e Tsutomu Seki, cujo núcleo era de 5 Km de diâmetro. O cometa aproximou-se do Sol em 21 de outubro de 1965, quando penetrou na incandescente coroa solar, passando somente a 465.000 km da superfície deste astro.
Naquela ocasião, o núcleo cometário já apresentava uma esplendida coma e uma espetacular cauda, nas quais a análise espectroscópica tinha determinado os componentes voláteis típicos dos cometas, atingindo as temperaturas de fusão dos metais; a análise também revelou as bandas do ferro e do níquel.
Segundo o saudoso astrônomo americano Brian G. Marsden, que reconstruiu a passagem do Ikeya-Seki, mencionou que este cometa veio de um longínquo ascendente que em 1106 se aproximou tanto do Sol que teve seu núcleo partido em dois. Um destes dois fragmentos teria dado vida ao Grande Cometa de setembro de 1882; também este passou muito perto do Sol e posteriormente se dividiu em duas partes. O segundo fragmento teria originado precisamente o Ikeya-Seki, dividindo-se em duas partes. Destas, uma deverá voltar, segundo seus cálculos, após uma longa viagem ao redor do Sol, no ano de 2.843; sendo que a outra parte retornará em 3020.
Os cometas que, como o Ikeya-Seki, passam tão próximo do Sol e se dividem em duas ou mais partes, formam uma família que, em homenagem ao astrônomo Heinrich Kreutz que os classificou, recebem o nome de grupo de Kreutz. Do mesmo modo tomam parte deste grupo os cometas que passam tão perto do Sol que são completamente destruídos ou que caem para dentro dele. O primeiro acontecimento deste tipo foi observado e documentado pela primmeira vez em 30 de agosto de 1979 por um satélite militar americano, o P 78-1, que graças a um coronógrafo que levava a bordo, registrou um cometa que caiu no Sol.
Os pesquisadores Zdenek Sekanina e Paul Chodas do JPL (Jet Propulsion Laboratory) da NASA modelaram a fragmentação do progenitor de Kreutz, e em 2007 num artigo do Astrophysical  Journal foi sugerido que pedaços maiores estavam a caminho.
Fique de olho no SOHO!
Fonte:  NASA e ESA