domingo, 26 de fevereiro de 2017

Cometa pode estar perto da desintegração

O fim pode estar perto de um cometa que tem quebrado em pedaços por mais de 20 anos.

cometa 73P Schwassmann-Wachmann

© Observatório Slooh (cometa 73P/Schwassmann-Wachmann)

Em 12 de fevereiro, os astrônomos que usavam o telescópio do observatório on-line Slooh no Chile foram os primeiros a ver o núcleo do cometa 73P/Schwassmann-Wachmann se dividir em duas partes. A imagem acima mostra este novo fragmento (rotulado "BT"), que é obviamente mais brilhante (em outburst) do que o corpo principal.

Isso levanta dúvidas sobre se o cometa pode sobreviver a outra viagem ao redor do Sol. O cometa efetuará o periélio, aproximação máxima do Sol em 16 março deste ano.

"Isso coloca o núcleo do cometa sob tremendo estresse das forças gravitacionais do Sol, e parece que isso pode ter sido responsável por dividir o núcleo em dois," disse Paul Cox, astrônomo do observatório Slooh.

O cometa foi descoberto pela primeira vez em 1930, e os observadores do céu viram sinais de que o cometa se separou no final de 1995, quebrando em três pedaços. Em seguida, outro grande evento ocorreu em 2006, quando o cometa fragmentou em mais de 30 pedaços à medida que se aproximava do Sol.

Os cometas são compostos de rocha, gelo e poeira que provavelmente se originam do Cinturão de Kuiper ou da Nuvem de Oort muito mais distante, que são zonas de objetos gelados na extremidade do Sistema Solar. O cometa 73P/Schwassmann-Wachmann pertence à classe de objetos jupiterianos, que têm um período orbital relativamente curto, em torno de 5,36 anos, e vêm do Cinturão de Kuiper.

O cometa enfrenta duas grandes ameaças à sua sobrevivência nos próximos anos. Se sobreviver a esta última viagem ao redor do Sol, ele voará a 50 milhões de quilômetros de Júpiter em 2025. Júpiter é conhecido em efetuar rupturas em cometas, sendo o mais famoso o cometa Shoemaker-Levy 9 que fragmentou em várias partes em 1992 e colidiu com o planeta em 1994.

Outra ameaça em curso para o cometa 73P/Schwassmann-Wachmann é o vento solar, que é o fluxo constante de partículas que emanam do Sol. A influência do Sol no cometa perturba as camadas superficiais deste corpo pequeno, criando a coma (atmosfera cometária) e a cauda que são comuns nos cometas.

"Parece que é apenas uma questão de tempo até que o cometa 73P/Schwassmann-Wachmann seja destruído, se desintegrando em detritos de poeira cósmica," acrescentou Cox.

Se o fim estiver próximo deste pedaço de rocha espacial primordial, tal fato será registrado, pois os membros do observatório Slooh e outros astrônomos ao redor do mundo estarão observando o cometa nas próximas semanas nos dois observatórios controlados remotamente pela organização no Chile e nas Ilhas Canárias.

Fonte: Tenagra Observatories

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Quase três caudas no cometa Encke

Como um cometa pode ter três caudas?

cometa Encke

© Fritz Helmut Hemmerich (cometa Encke)

Normalmente, um cometa tem duas caudas: uma cauda de íons de partículas carregadas emitidas pelo cometa e empurradas pelo vento solar, e uma cauda de poeira de pequenos detritos que orbita ao longo da trajetória do cometa. A cauda de iônica é apontada na direção diretamente oposta à do Sol.

Frequentemente um cometa parece ter apenas uma cauda porque a outra cauda não é facilmente visível da Terra. Na imagem incomum caracterizada acima, o cometa periódico 2P/Encke parece ter três caudas porque a cauda iônica aparentemente foi separada em duas apenas quando a imagem foi tomada.

O vento solar complexo é ocasionalmente turbulento e às vezes cria rupturas na cauda iônica. Em raras ocasiões, os eventos de desconexão iônica foram registrados. Uma imagem do cometa Encke tomada dois dias depois dá uma perspectiva talvez menos desconcertante.

Fonte: NASA