sábado, 2 de outubro de 2021

Aumento de brilho de cometa

Um cometa famoso por sua personalidade explosiva está em erupção quase contínua desde 25 de setembro.

© R. Miles (outburst do cometa Schwassmann-Wachmann)

O brilho do cometa 29P/Schwassmann-Wachmann está aumentando continuamente, e agora ele aparece como um objeto minúsculo de magnitude 11 facilmente visível em telescópios maiores de 20 cm. Se você nunca viu um cometa se mascarando como uma nebulosa planetária parecida com uma estrela, não perca a chance. À medida que a explosão evolui, a coma do cometa se expande, mas também desaparece.

O cometa pode continuar a brilhar ou começar seu inevitável escurecimento. Ver mudanças noturnas em um objeto celestial é uma das razões pelas quais os cometas são tão divertidos de observar. Muitos cometas têm explosões repentinas de brilho (outburst), mas o 29P//Schwassmann-Wachmann é único porque tem uma média de 7,3 explosões por ano!

Normalmente, dois ou três por aparição são visíveis em telescópios amadores. Normalmente um objeto de 16ª magnitude, uma explosão pode saltar este cometa da obscuridade para tão brilhante quanto 10ª magnitude. Ele orbita um pouco além de Júpiter com um período de 14,7 anos e com um diâmetro de 60,4 ± 7,4 quilômetros. 

Richard Miles, da British Astronomical Association (BAA), é o líder do projeto no MISSION 29P, uma câmara de compensação dedicada a notícias e observações do cometa com a esperança de compreender melhor a causa subjacente de suas explosões tumultuadas. "Suspeita-se que o objeto pode ter sofrido quatro explosões sucessivas," disse Miles.

O gelo de água, um importante volátil que impulsiona a atividade em muitos cometas, é virtualmente inerte à distância do 29P/Schwassmann-Wachmann. Em vez disso, a vaporização do gelo de monóxido de carbono parece ser a principal causa de suas explosões regulares. Baseado em dados obtidos em grande parte por astrônomos amadores, Miles descreve as explosões como criovulcões que explodem após o monóxido de carbono e o metano, sob pressão da crosta do cometa, derreter, misturar e liberar energia. 

O aquecimento solar faz com que a crosta acima destes pontos ceda, liberando gases de forma explosiva junto com até um milhão de toneladas de poeira e detritos. Como abrir a rolha de uma garrafa de champanhe. Sendo o 29P/Schwassmann-Wachmann um grande cometa, sua gravidade segura temporariamente a expansão até que outro ciclo comece.

Atualmente existe uma campanha de vários comprimentos de onda para observar este cometa.

Fonte: Sky & Telescope

quinta-feira, 26 de agosto de 2021

A origem do cometa ATLAS

Suspeita-se que há cerca de 5.000 anos um cometa passou a 37 milhões de quilômetros do Sol, mais perto do que o planeta Mercúrio.



© Hubble (fragmentação do cometa ATLAS)

Este par de imagens é do cometa C/2019 Y4 (ATLAS) obtidas pelo telescópio espacial Hubble, nos dias 20 e 23 de abril de 2020, revelam a fragmentação do núcleo sólido do cometa. As fotos do Hubble identificam até 30 fragmentos separados. O cometa estava aproximadamente a 146 milhões de quilômetros da Terra quando as imagens foram captadas. O cometa foi colorido artificialmente nas imagens para melhorar os detalhes para análise.

O cometa pode ter sido uma visão espetacular para as civilizações da Eurásia e do Norte da África no final da Idade da Pedra ou início da Idade do Bronze. No entanto, este visitante espacial sem nome não está registrado em qualquer relato histórico conhecido. 

Então, como é que os astrônomos sabem que existiu tal intruso interplanetário? É aqui que entra o cometa ATLAS (C/2019 Y4), que apareceu pela primeira vez no início de 2020. O cometa ATLAS, detectado pela primeira vez pelo ATLAS (Asteroid Terrestrial-impact Last Alert System), operado pela Universidade do Havaí, rapidamente encontrou uma morte prematura em meados de 2020, quando se desintegrou numa cascata de pequenos pedaços de gelo.

Num novo estudo usando observações do telescópio espacial Hubble, o astrônomo Quanzhi Ye da Universidade de Maryland em College Park, EUA, relata que o ATLAS é um pedaço que se separou deste antigo visitante. Isto ocorreu porque o ATLAS segue a mesma trajetória de um cometa visto em 1844, significando que os dois cometas são provavelmente irmãos de um cometa original que se fragmentou muitos séculos antes.

A ligação entre os dois cometas foi observada pela primeira vez pelo astrônomo amador Maik Meyer. Estas famílias de cometas são comuns. O exemplo visual mais dramático foi em 1994, quando o cometa condenado Shoemaker-Levy 9 foi fragmentado pela atração gravitacional de Júpiter. Estes fragmentos teve vida curta. Pedaço a pedaço, caiu em Júpiter em julho de 1994.

Ao contrário do seu hipotético cometa parente, o ATLAS desintegrou-se enquanto estava mais longe do Sol do que a Terra, a uma distância superior a 160 milhões de quilômetros. Este valor fica muito acima da distância em que o seu progenitor passou pelo Sol. Se se separou assim tão longe do Sol, como é que sobreviveu à última passagem pelo Sol há 5.000 anos? É muito incomum porque não seria de esperar. Esta é a primeira vez que um membro da família de um cometa de longo período foi visto se separando antes de passar perto do Sol.

A observação da fragmentação fornece pistas de como o cometa original se formou. Sabe-se que os cometas são aglomerações frágeis de poeira e gelo.

Após um ano de análise, os pesquisadores relatam que um fragmento do ATLAS se desintegrou em questão de dias, enquanto outro durou semanas. Isto informa que parte do núcleo era mais forte do que a outra. Uma possibilidade é que correntes de material ejetado podem ter feito o cometa girar tão depressa que as forças centrífugas o rasgaram. Uma explicação alternativa é que possui gelos muito voláteis que simplesmente explodiram o cometa como fogo de artifício. O irmão sobrevivente do cometa ATLAS só regressará no século L (50).

Veja mais detalhes em A fragmentação do cometa ATLAS.

Um novo artigo foi publicado no periódico The Astronomical Journal.

Fonte: Space Telescope Science Institute

terça-feira, 20 de julho de 2021

Aumento de atividade em cometa

Um recém-descoberto visitante das orlas externas do nosso Sistema Solar demonstrou ser o maior cometa conhecido de todos os tempos, graças aos telescópios de resposta rápida do Observatório Las Cumbres.

© O. Las Cumbres/LOOK (cometa Bernardinelli-Bernstein)

O objeto, denominado C/2014 UN271 (Bernardinelli-Bernstein) em honra aos seus dois descobridores, foi anunciado pela primeira vez no sábado, dia 19 de junho de 2021. O cometa C/2014 UN271 foi descoberto graças ao reprocessamento de quatro anos de dados do DES (Dark Energy Survey), que foi realizado com o telescópio Blanco de 4 metros no Observatório Interamericano de Cerro Tololo, no Chile, entre 2013 e 2019.

Durante o anúncio da descoberta, não havia indicação de que este era um objeto ativo. O cometa C/2014 UN271 era proveniente dos confins frios do Sistema Solar, de modo que foram necessárias imagens rápidas para descobrir: quando é que o recém-descoberto cometa começaria a mostrar uma cauda? 

O Observatório Las Cumbres foi capaz de determinar rapidamente se o objeto havia se tornado um cometa ativo nos três anos desde que foi visto pela primeira vez pelo DES. O Observatório Las Cumbres possui uma rede de telescópios robóticos espalhados por todo o mundo, especialmente no hemisfério sul, cujas imagens foram obtidas rapidamente graças aos telescópios na África do Sul. 

As imagens de um dos telescópios de 1 metro, situado no Observatório Astronômico da África do Sul, chegaram no dia 22 de junho. Astrônomos da Nova Zelândia, membros do projeto LOOK (LCO Outbursting Objects Key), foram os primeiros a observar o novo cometa.

A análise das imagens do Observatório Las Cumbres mostrou uma coma difusa em torno do objeto, indicando que estava ativo e era, de fato, um cometa, embora ainda esteja a uma distância notável de aproximadamente 2,9 bilhões de quilômetros, o dobro da distância de Saturno ao Sol. 

O cometa tem um diâmetro estimado em mais de 100 km, mais de três vezes o tamanho do recordista anterior de maior núcleo cometário, o Cometa Hale-Bopp, descoberto em 1995. Este cometa não deverá ficar visível a olho nu: permanecerá um objeto telescópico porque a sua menor distância ao Sol será ainda para além de Saturno. Dado que o cometa C/2014 UN271 foi descoberto tão longe, haverá mais de uma década para o estudar. Este atingirá o periélio em janeiro de 2031. 

O Projeto LOOK continua observando o comportamento de um grande número de cometas e como a sua atividade evolui à medida que se aproximam do Sol. Os cientistas também estão usando a capacidade de resposta rápida do Observatório Las Cumbres para obter observações muito rapidamente quando um cometa dá início à sua atividade.

Há agora um grande número de levantamentos, como o ZTF (Zwicky Transient Facility) e o próximo Observatório Vera C. Rubin, que monitoram partes do céu todas as noites. Estes levantamentos podem fornecer alertas caso um dos cometas mude subitamente de brilho. Em seguida, será possível acionar os telescópios robóticos para obter dados mais detalhados e uma visão mais longa do cometa em mudança enquanto o levantamento se desloca para outras áreas do céu. Os telescópios robóticos e o software sofisticado do Observatório Las Cumbres permitem obter imagens de um novo evento até 15 minutos após um alerta. Isto permite realmente estudar estes surtos conforme evoluem.

Fonte: Las Cumbres Observatory

quinta-feira, 8 de julho de 2021

Cometa aproxima-se do Sistema Solar

Foi descoberto um cometa gigante se dirigindo para o interior do Sistema Solar, oriundo da Nuvem de Oort.

© DES/Bernardelli e Bernstein (cometa C/2014 UN271)

Muito além das órbitas de Netuno e Plutão, uma escura e misteriosa região espacial, a Nuvem de Ort, contém cerca de trilhões de cometas envolvendo o Sistema Solar e estende-se a alguns anos-luz do Sol. O cometa C/2014 UN271 foi descoberto pelo brasileiro Pedro Bernardinelli e pelo norte-americano Gary Bernstein. Observado pela primeira vez em 2014 pelo projeto Dark Energy Survey (DES), o objeto só foi descoberto por Bernardelli e Bernstein mais recentemente, depois da análise das cerca de 80 mil imagens obtidas pelo DES nos últimos anos. As imagens de 2014 revelaram que ele orbita o Sistema Solar a uma distância 30 vezes a existente entre a Terra e o Sol, 30 UA (unidades astronômicas). Agora, sete anos depois, o objeto está a 20 UA e continua se aproximando do Sol. Seu periélio, oponto mais próximo do Sol, será de 10,9 UA, em janeiro de 2031; isto não é muito mais longe do que a órbita de Saturno. As estimativas atuais sugerem que o cometa tem órbita excêntrica e leva 612.000 de anos para orbitar o Sol. Apesar de receber 400 vezes menos luz solar do que a superfície da Terra em sua localização atual, o cometa é brilhante o suficiente para ser visto por telescópios. Seu tamanho deve situar entre 100 e 370 Km. A incerteza surge por causa da refletividade e forma desconhecidas do objeto. Provavelmente, ele é muito maior do que qualquer cometa descoberto anteriormente. Em comparação, o cometa Neowise, que nos visitou recentemente, tem 5 km de largura. O famoso cometa Halley tem 15 km de comprimento e 8 km de largura. O cometa Hale-Bopp, considerado grande, possui 60 km. O cometa C/2014 UN271 apresenta escala similar, se não maior, à do cometa C/1729 P1, considerado o maior já visto. Este cometa dificilmente deverá proporcionar uma passagem brilhante e espetacular como foi aquela dos cometas Halley e Hale-Bopp, ele deverá alcançar, no máximo, o brilho do planeta anão Plutão, mas é provável que fique com brilho semelhante ao da lua Caronte. Depois desta visita, o cometa C/2014 UN271 voltará para a escuridão, em uma viagem de milênios até a Nuvem de Oort, a dois trilhões de quilômetros do Sol. Fonte: Scientific American

quarta-feira, 19 de maio de 2021

Vapores de metais pesados em cometas

Um novo estudo feito por uma equipe belga com dados do Very Large Telescope (VLT) do Observatório Europeu do Sul (ESO) mostrou que existe ferro e níquel nas atmosferas dos cometas do Sistema Solar, mesmo aqueles distantes do Sol.

© ESO (detecção de Fe e Ni no cometa C/2016 R2 PanSTARRS)

Um estudo independente de uma equipe polonesa, que também usou dados do ESO, anunciou que existe também vapor de níquel no cometa interestelar gelado 2I/Borisov. Esta é a primeira vez que metais pesados, geralmente associados com ambientes quentes, são encontrados nas atmosferas frias de cometas distantes.

Os astrônomos já sabiam da existência de metais pesados no interior rochoso e poeirento dos cometas. Mas, uma vez que os metais sólidos não sublimam em baixas temperaturas, ou seja, não se tornam gasosos, não se esperava encontrá-los nas atmosferas de cometas frios que viajam muito além do Sol. Vapores de níquel e ferro foram agora detectados em cometas observados a mais de 480 milhões de quilômetros do Sol, o que corresponde a mais de três vezes a distância Terra-Sol.

A equipe belga descobriu ferro e níquel nas atmosferas dos cometas em quantidades aproximadamente iguais. O material do nosso Sistema Solar, por exemplo aquele encontrado no Sol e em meteoritos, contém, normalmente, cerca de dez vezes mais ferro do que níquel.

Este novo resultado tem por isso implicações na nossa compreensão do Sistema Solar primordial, apesar da equipe ainda estar estudando o que é que isto significa. Os cometas se formaram há cerca de 4,6 bilhões de anos num Sistema Solar muito jovem, não tendo sofrido alterações desde essa época. 

Apesar de estudar estes “fósseis” do Sistema Solar com o VLT do ESO há quase 20 anos, a equipe belga não tinha ainda detectado a presença de níquel e ferro nas suas atmosferas. A equipe utilizou dados do instrumento UVES (Ultraviolet and Visual Echelle Spectrograph) montado no VLT, capturados com uma técnica chamada espectroscopia, para analisar as atmosferas de cometas a diferentes distâncias do Sol. Esta técnica permite revelar a composição química de objetos cósmicos: cada elemento químico apresenta uma assinatura única no espectro da luz do objeto. 

A equipe belga detectou linhas espectrais fracas não identificadas nos dados do UVES e após uma análise mais detalhada verificou que estas linhas sinalizavam a presença de átomos de ferro e níquel. A razão pela qual os elementos pesados foram difíceis de identificar se deve à sua existência em quantidades muito pequenas: a equipe estima que para cada 100 kg de água nas atmosferas dos cometas, exista apenas 1 g de ferro e, aproximadamente, a mesma quantidade de níquel.

Embora a equipe ainda não tenha certeza de que material isso pode ser, avanços na astronomia, tais como o instrumento METIS (Mid-infrared ELT Imager and Spectrograph) previsto para o futuro Extremely Large Telescope (ELT), permitirão aos pesquisadores confirmar a fonte de átomos de ferro e níquel descobertos nas atmosferas destes cometas. 

Outro estudo notável mostra que elementos pesados também estão presentes na atmosfera do cometa interestelar 2I/Borisov. Com o auxílio do espectrógrafo X-shooter montado no VLT do ESO, uma equipe na Polônia observou este objeto, o primeiro cometa alienígena a visitar o nosso Sistema Solar, quando este passou perto de nós, há cerca de ano e meio. A equipe descobriu que a atmosfera fria do 2I/Borisov contém níquel gasoso.

Esta descoberta é surpreendente porque, antes dos dois trabalhos publicados hoje, gases com átomos de elementos pesados apenas tinham sido observados em meios quentes, tais como nas atmosferas de exoplanetas ultraquentes e em cometas em evaporação que passam muito perto do Sol.

O 2I/Borisov foi observado quando estava a cerca de 300 milhões de km do Sol, ou seja, a cerca de duas vezes a distância Terra-Sol. O estudo detalhado de corpos interestelares é fundamental porque nos fornece informações importantes sobre os sistemas planetários forasteiros que lhes deram origem. 

Os estudos feitos por estas duas equipes mostram que o 2I/Borisov e os cometas do Sistema Solar têm ainda mais em comum do que se pensava anteriormente.

Estas pesquisas foram apresentados em dois artigos científicos publicados na revista Nature.

Fonte: ESO

quinta-feira, 1 de abril de 2021

O primitivo cometa Borisov

Novas observações obtidas com o Very Large Telescope (VLT) do ESO indicam que o cometa 2I/Borisov, o segundo e mais recente visitante interestelar detectado no nosso Sistema Solar, é um dos mais primitivos já observados.

© ESO/VLT (cometa Borisov)

Os astrônomos suspeitam que o cometa provavelmente nunca passou perto de uma estrela, tornando-o uma relíquia intacta da nuvem de gás e poeira da qual se formou. O cometa 2I/Borisov foi descoberto pelo astrônomo amador Gennady Borisov em agosto de 2019, tendo-se confirmado que este objeto vinha de fora do Sistema Solar algumas semanas mais tarde.

O cometa 2I/Borisov foi estudado em detalhes, através de uma técnica chamada polarimetria, que permite medir a polarização da luz. A luz se torna polarizada quando passa através de certos filtros, como por exemplo as lentes de óculos de sol polarizados ou materiais cometários. Ao estudar as propriedades da luz solar polarizada pela poeira de um cometa, os cientistas podem aprender mais sobre a física e química destes objetos.

Uma vez que esta técnica é regularmente usada para estudar cometas e outros pequenos corpos do nosso Sistema Solar, isso permitiu que a equipe comparasse o visitante interestelar com nossos cometas locais. 

A equipe descobriu que o cometa 2I/Borisov tem propriedades polarimétricas distintas das dos cometas do Sistema Solar, com exceção do Hale-Bopp. O cometa Hale-Bopp despertou grande interesse no público no final dos anos 1990, por ser facilmente visível a olho nu e também por ser um dos cometas mais puros que os astrônomos já viram. Antes da sua mais recente passagem pelo Sol observada por nós, acredita-se que o Hale-Bopp tenha passado perto do nosso Sol apenas uma vez e, portanto, quase não foi afetado pelo vento solar e pela radiação, tratando-se por isso de um cometa bastante puro, com uma composição muito semelhante à nuvem de gás e poeira que lhe deu origem (assim como ao resto do Sistema Solar) há cerca de 4,5 bilhões de anos. 

Ao analisar a polarização juntamente com a cor do cometa para aprender mais sobre a sua composição, a equipe concluiu que o 2I/Borisov é, na realidade, ainda mais puro que o Hale-Bopp, o que significa que traz consigo assinaturas imaculadas da nuvem de gás e poeira a partir da qual se formou. 

O fato dos dois cometas serem notavelmente semelhantes sugere que o meio que deu origem ao 2I/Borisov não é assim tão diferente, em termos de composição, do meio do Sistema Solar primordial.

A chegada do 2I/Borisov do espaço interestelar nos deu a primeira oportunidade para estudar a composição de um cometa de outro sistema planetário e verificar que o material desde cometa é de algum modo diferente da nossa variedade local. 

A ESA está planejando o lançamento do Comet Interceptor em 2029, o qual terá a capacidade de chegar a outro visitante interestelar. Mesmo sem uma missão espacial, os astrônomos podem usar os muitos telescópios colocados no solo terrestre para aprenderem mais sobre as diferentes propriedades dos cometas exteriores ao Sistema Solar como o 2I/Borisov.  

Os astrônomos notaram que a coma (um envelope de poeira que rodeia o corpo principal do cometa) do 2I/Borisov contém pedrinhas compactas, grãos com cerca de um milímetro ou mais de tamanho. Além disso, descobriu-se que as quantidades relativas de monóxido de carbono e água no cometa mudaram drasticamente à medida que este se aproximou do Sol.

Este fato indica que o cometa é constituído por materiais que se formaram em diferentes locais do seu sistema planetário. As observações sugerem que a matéria existente no sistema planetário de origem do 2I/Borisov se encontrava misturada, quando da formação do cometa, desde as zonas próximas da sua estrela até às mais afastadas. Uma explicação seria a existência de planetas gigantes cuja forte gravidade agita o material no sistema. 

Os astrônomos acreditam que um processo similar tenha ocorrido nas fases iniciais do nosso próprio Sistema Solar. Apesar do 2I/Borisov ter sido o primeiro cometa vindo de fora do Sistema Solar a passar pelo Sol, não foi o primeiro visitante interestelar. O primeiro objeto interestelar que vimos passar pelo Sistema Solar foi o ‘Oumuamua, outro objeto estudado com o auxílio do VLT em 2017. Originalmente classificado como cometa, o ‘Oumuamua foi mais tarde reclassificado como asteroide já que não possuía uma coma cometária. 

Esta pesquisa será publicada nas revistas Nature Communications e Nature Astronomy.

Fonte: ESO

sábado, 6 de março de 2021

Cometa próximo dos asteroides de Júpiter

Depois de viajar vários bilhões de quilômetros em direção ao Sol, um jovem e instável objeto parecido com um cometa, orbitando entre os gigantes gasosos, encontrou ao longo do caminho um lugar de estacionamento temporário.

© Hubble (ATLAS)

O objeto estabeleceu-se perto de uma família de antigos asteroides capturados, chamados Troianos, que orbitam o Sol ao lado de Júpiter. Esta é a primeira vez que um objeto semelhante a um cometa foi avistado perto da população Troiana. O visitante inesperado pertence a uma classe de corpos gelados encontrados no espaço entre Júpiter e Netuno, chamados Centauros, tornam-se ativos pela primeira vez quando aquecidos à medida que se aproximam do Sol e fazem a transição dinâmica para um objeto mais parecido a um cometa.

Instantâneos no visível pelo telescópio espacial Hubble revelam que o objeto mostra sinais de atividade cometária, como uma cauda, gases emitidos na forma de jatos e uma coma envolvente de poeira e gás. Observações anteriores feitas pelo telescópio espacial Spitzer da NASA proporcionaram pistas sobre a composição do objeto e os gases que conduzem a sua atividade. 

O objeto tem uma cauda larga com aproximadamente 640.000 km e características de alta resolução perto do núcleo devido a uma coma e jatos. Os astrônomos estão verificando como foi capturado por Júpiter e acabou por ficar entre os Troianos. Mas pode estar relacionado com o fato de que teve um encontro relativamente próximo com Júpiter.

As simulações de computador mostram que o objeto gelado, chamado P/2019 LD2 (ATLAS), provavelmente passou perto de Júpiter há cerca de dois anos. O planeta então lançou gravitacionalmente o visitante para a localização co-orbital do grupo de asteroides Troianos, situados orbitalmente "à frente" de Júpiter a mais ou menos 700 milhões de quilômetros.

O objeto errante foi descoberto no início de junho de 2019 pelos telescópios ATLAS (Asteroid Terrestrial-impact Last Alert System) da Universidade do Havaí, localizados nos vulcões extintos, um em Mauna Kea e o outro em Haleakala. 

O astrônomo amador japonês Seiichi Yoshida avisou a equipe do Hubble sobre a possível atividade cometária. Os astrônomos então analisaram dados de arquivo do ZTF (Zwicky Transient Facility), um levantamento de campo amplo situado no Observatório Palomar, na Califórnia, e perceberam que o objeto estava claramente ativo nas imagens de abril de 2019.

Os cientistas então realizaram observações de acompanhamento no Observatório de Apache Point, no estado norte-americano do Novo México, que também sugeriram a atividade. A equipe observou o cometa usando o Spitzer poucos dias antes deste se retirar em janeiro de 2020, e identificaram gás e poeira em torno do núcleo do cometa. Auxiliados pela visão nítida do Hubble, foram identificadas a cauda, a estrutura da coma e o tamanho das partículas de poeira e a sua velocidade de ejeção. 

O convidado inesperado provavelmente não ficará entre os asteroides por muito tempo. As simulações de computador mostram que terá outro encontro próximo com Júpiter daqui a cerca de dois anos. O planeta gigante vai expulsar o cometa do grupo, e continuará a sua viagem até ao Sistema Solar interior. 

O intruso gelado é provavelmente um dos membros mais recentes da "brigada" de cometas a ser expulso da do Cinturão de Kuiper para a região do planeta gigante por meio de interações com outro objeto. Localizado além da órbita de Netuno, o Cinturão de Kuiper é um refúgio de remanescentes gelados da construção dos nossos planetas há 4,6 bilhões de anos, contendo milhões de objetos, e ocasionalmente estes objetos têm colisões que alteram drasticamente as suas órbitas no Cinturão de Kuiper para dentro da região do planeta gigante. 

Os cometas de período curto, do Sistema Solar interior, fragmentam-se cerca de uma vez por século. De modo que para manter o número de cometas locais que vemos hoje, é possível que esta brigada tem que fornecer um novo cometa de curto período a cada 100 anos.

A observação da liberação de gases num cometa a 750 milhões de quilômetros do Sol (onde a intensidade da luz do Sol é 1/25 da intensidade que a Terra recebe) é intrigante.  A água permanece gelada num cometa até este atingir aproximadamente 320 milhões de quilômetros do Sol, onde o calor da luz solar converte o gelo em gás que escapa do núcleo na forma de jatos. Portanto, a atividade sinaliza que a cauda pode não ser feita de água. 

Realmente, as observações do Spitzer indicaram a presença de monóxido de carbono e dióxido de carbono, que podem estar conduzindo a criação da cauda e dos jatos vistos no cometa na órbita de Júpiter. Estes voláteis não precisam de muita luz solar para aquecer a sua forma gelada e converterem-se em gás. 

Assim que o cometa for expulso da órbita de Júpiter e prosseguir viagem, poderá encontrar-se de novo com o planeta gigante. Os cometas de curto período como o ATLAS encontram o seu destino ao serem lançados em direção ao Sol e desintegrando-se totalmente, atingindo um planeta ou aventurando-se demasiado perto de Júpiter mais uma vez e sendo expulsos do Sistema Solar, que é o destino mais comum. As simulações mostram que daqui a cerca de 500.000 anos, há 90% de probabilidade de que este objeto seja expelido do Sistema Solar e se torne um cometa interestelar.

Um artigo foi publicado no periódico The Astronomical Journal.

Fonte: Space Telescope Science Institute